sexta-feira, 15 de julho de 2016

Um rio na sala de estar


Pintura de Piet Mondrian - 1911


No Egito há um rio escuro
Em Goiás há um rio turvo
No inferno há um rio cinzento
E no céu
Há uma tinta azul
Que faz rio emoldurado
Na tela de sua sala.

A tinta azul esparramada
Recebe outra verdíssima
Recebe o branco da espuma
E um muro
Em tons de rosa e de sangue
Pincelado sobre a água.

Eu tenho aqui outra tinta
Presa do lado de fora
Também fria, porém arde e
Com ela
Vou sombrear uma porta
De entrada no cor-de-rosa.

De lá saltarei no azul
Separado por um fio
Onde quer ser céu e onde quer

Ser rio.


*Poesia publicada no blog Psicose da Nina, em 17/01/2016