domingo, 10 de maio de 2015

Feito asas




O voo das borboletas - Paul Klee



Neste dia eu queria
Dar-lhe, mamãe, umas flores
Pequenas e delicadas.
Chegando aqui, já não estavas.
Quis dar-lhe palavras e quis
Que nada me impedisse.
Joguei-as ao alto e foram
Feito folhas no outono,
Mas as quero feito asas.
Não as da nave que me trouxe
Após a tua partida,
Mas asas
Que pulsassem, confirmassem:
“Ela ouviu, sorriu e disse...”
- Disse o quê? O que ela disse?
“Que andas muito sisuda,
Que deves sair pra brincar,
Que até a angústia mais aguda
Tem sua hora de acabar”.



quinta-feira, 7 de maio de 2015

Madrugada



Pintura de John Atkinson Grimshaw



É madrugada,
Não se vê quase nada.
Ouço animais da noite
E sinto o vento gelado.
Silêncio! É mais prudente,
Porque é madrugada
E vemos quase nada.