quarta-feira, 30 de março de 2011

Quase um poema

Um poema é quase
Como um filho.
Trazido à vida,
Carece de cuidados
E muita paciência.

Se entra por um caminho
Perigoso ou inadequado
O pai-poeta diz
‘Não’ e ele volta.
Reescreve-se melhor.

E enquanto ganha forma
Vai também moldando
O seu criador.
Ensinam-nos muito
As crianças.

Um poema é quase
Como um filho.
Nasce do amor e do pecado.
Mas o pecado de amor
Há de ser perdoado.

Um poema é quase
Como um filho.
Depois de pronto
É mister que seja entregue
Ao mundo.

Como um filho, ele tem
Sua missão a cumprir:
A liberdade.
Vai,
Meu passarinho!

domingo, 27 de março de 2011

Vôo e volto


Compromisso é algo que precisa ser levado muito a sério. Por isso, os compromissos metem medo. Confesso que há muito desejo ter este espaço – que é mais ou menos público, mais ou menos privado – onde meus escritos sejam colocados à prova e com o trato de mantê-los com certa regularidade. Bem, é um trato que eu vinha adiando e que hoje venho cumprir.
Inauguro meu blog com um poema que não é muito novo. Foi escrito em 2006, mas acho que volta a ter significado: Planos e Palavras.
                                                                                                                                      Céu de Aruanã-GO
                                
                                       Planos e Palavras
                                      
                                       Estou voltando.
                                       São minhas as asas,
                                       Do pássaro que desce.
                                       Eu voo e volto
                                       De um plano para outro.
                                       E voo e volto,
                                       Voo e volto.
                                      
                                       Eu mudo de plano
                                       Ou mudam-se
                                       Os planos?
                                       Planando, eu
                                       Viajo em mim.
                                       Íntima alma
                                       Desconhecida.
                                      
                                       Estou voltando
                                       Do plano profundo
                                       E distante
                                       Do universo
                                       De dentro de mim.
                                       Dos vazios
                                       Que me formam.
                                      
                                       Estou voltando
                                       Porque o ar já me faltava
                                       Como falta a todos
                                       Os que tentam
                                       Ir pra longe.
                                       Seja para o alto
                                       Seja ao profundo.
                                      
                                       Já me aproximo do chão.
                                       E vejo os montes
                                       De natureza erotizada,
                                       Os rios
                                       Desenhados em sua pele.
                                       Vejo as casinhas
                                       Uma delas é a minha.
                                      
                                       Estou voltando e preciso
                                       Dar nome às coisas
                                       Que não me dou conta de ter visto
                                       No plano onde eu estava.
                                       Nomeá-las,
                                       Para que se expliquem
                                       E deixem de me incomodar.
                                      
                                       Estou voltando
                                       Do plano onde as almas se calam.
                                       Onde,
                                       Por alguma urgência
                                       De sua natureza
                                       Decidem se recolher.
                                       Porque o ar já me faltava.
                                      
                                       Estou de volta
                                       Do plano onde não há palavras
                                       Nem julgamentos.
                                       Mas aqui, na concretude,
                                       Tudo precisa ter nome
                                       E por eles são julgados
                                       Explicados, condenados.
                                      
                                       Aqui, a palavra é Senhora.
                                       Escravos delas
                                       É o que somos.
                                       E como doem
                                       Ai, como nos maltratam
                                       Os sentimentos
                                       Que não se explicam.

      *Publicado na Antologia 2007 do VI Concurso Kelps de Poesia Falada.